CIÊNCIA & PESQUISA

Biodiversidade diz respeito a todos

A Symrise está comprometida em analisar seus próprios negócios quanto à sua compatibilidade com a natureza, em apoiar e implementar objetivos baseados na ciência em prol da natureza e da biodiversidade.

A biodiversidade da Terra não vai bem. De acordo com um relatório da ONU publicado em 2019, cerca de um milhão das, estima-se, oito milhões de espécies animais e vegetais existentes no mundo estão ameaçadas de extinção. Isso, por sua vez, afeta mundialmente a estabilidade e o funcionamento dos ecossistemas, reduzindo sua capacidade de abastecer a humanidade com recursos naturais essenciais e serviços ecológicos. Eles englobam alimentos, água limpa, solos férteis, polinização, controle de pragas ou a regulação do clima. Há muito tempo, não são só os cientistas a alertar que a perda massiva da biodiversidade é, no mínimo, tão ameaçadora para o ser humano quanto a mudança climática. Na qualidade de empresa que se inspira na diversidade e estética da natureza e depende dos seus serviços ecológicos, a Symrise entendeu que a biodiversidade e o funcionamento dos ecossistemas são a garantia do bem-estar humano e da produção sustentável. Sem contrapartidas alinhadas, é o que diz hoje a ciência, o desenvolvimento atual pode levar a perdas consideráveis de bem-estar, bem como a distorções sociais e econômicas, pois a demanda ascendente – de uma população mundial em crescimento – por recursos naturais e serviços dos ecossistemas acarreta uma menor capacidade da natureza de fornecer esses serviços de modo suficiente. A Symrise enfrenta esse desafio cooperando no “World Business Council for Sustainable Development” (WBCSD) com atores da ciência, política, sociedade civil, assim como com empresas que compartilham dos mesmos propósitos, para o desenvolvimento e a implementação de objetivos baseados na ciência em prol da natureza.

REGENERAR A NATUREZA Objetivos baseados na ciência são, nesse contexto, objetivos vinculantes, mensuráveis, aplicáveis e com prazo determinado, apoiados nos mais recentes dados científicos, que devem assegurar a transformação da economia e da sociedade de tal forma que uma população mundial de aproximadamente 10 bilhões de pessoas em 2050 possa viver e produzir de maneira sustentável, dentro dos limites naturais de impacto no planeta. “Enquanto no campo do clima já existe um objetivo internacionalmente reconhecido, baseado na ciência, em relação ao tema da natureza e biodiversidade ainda estamos no começo”, diz Sascha Liese, do departamento de sustentabilidade corporativa da Symrise. “Trata-se, basicamente, de conter com máxima urgência a perda da natureza e da biodiversidade na terra e na água, assegurando uma completa regeneração da natureza até 2050. É uma tarefa de Hércules, que não poderá ser realizada sem contribuições efetivas da economia”, complementa.

Precisamos trabalhar para moldar toda a cadeia de valor de forma compatível com a natureza.

Sascha Liese, Manager Corporate Sustainability

CLARAS ORIENTAÇÕES PARA A AÇÃO De acordo com o WBCSD, a indústria de bens de consumo e alimentos desempenharia aqui um duplo papel relevante, como coautora crucial da crise global da natureza e como indispensável solucionadora dos problemas no futuro. Exige-se, portanto, de empresas como a Symrise que evitem e minimizem efeitos negativos para a natureza, que se empenhem pela regeneração e recuperação da natureza e promovam contribuições para uma transformação fundamental daqueles modelos de negócios e mercados que prejudicam a natureza.

É possível deduzir daí claras orientações para a ação, segundo Liese. “Além das mudanças climáticas, a poluição ambiental, a propagação de espécies invasivas, o uso predatório de recursos naturais, bem como a degradação ou destruição de hábitats e ecossistemas, são os principais causadores da perda mundial da natureza. Empresas encontram-se, assim, diante da tarefa de analisar todos os negócios nesse sentido, avaliando se eles fortalecem ou enfraquecem direta ou indiretamente os causadores da perda da biodiversidade”, explica. Mas quais negócios da Symrise contribuem concretamente para aumentar a perda da natureza e da biodiversidade? “O que está claro é que, juntamente com clientes, fornecedores e outros stakeholders, precisamos continuar trabalhando para moldar toda a cadeia de valor de forma compatível com a natureza”, esclarece Sascha Liese. Por exemplo, com uma maior produtividade dos recursos, a biodegradabilidade de produtos ou a eliminação responsável ou redução de emissões nocivas em águas, solos e na atmosfera. Da mesma maneira, o fomento de métodos de cultivo sustentáveis para matérias-primas agrícolas e florestais, a otimização ecológica dos respectivos sistemas de cultivo ou também o uso sustentável de recursos biológicos provenientes de coletas silvestres, que, em princípio, só devem ser consumidos na medida em que possam novamente se renovar.

Contribuições eficazes para a implementação dos objetivos baseados na ciência em prol da natureza vêm sendo há tempos exigidas das empresas não somente por ONGs, pela ciência e política, mas também, cada vez mais, por clientes e pelo mercado de capitais. “Estou confiante de que a Symrise atenderá às expectativas maiores de seus stakeholders quanto a uma relação sustentável com a natureza”, conclui Sascha Liese.


Saiba mais sobre todos os ­Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU no SymPortal: https://t1p.de/SYM-SDG

© Symrise All rights reserved 2020