EMPRESA & ESTRATÉGIA

Diversidade é vida

Extinção de espécies, erosão genética de plantas de cultivo e perda de habitats naturais – a biodiversidade está ameaçada em muitos níveis. A Symrise luta contra isso em conjunto com 21 outras empresas da iniciativa One Planet for Biodiversity.

uanto ao estado da natureza, há, sim, algumas centelhas de esperança, por exemplo, na Alemanha: em regiões montanhosas e colônias, a quantidade de pássaros tem crescido e, graças à renaturalização, alguns rios e várzeas oferecem novamente um ambiente habitável para os animais. Mas as notícias positivas do “Relatório sobre o Estado da Natureza” do Ministério do Meio Ambiente da Alemanha praticamente acabam por aí. Pois, segundo esse levantamento, mais de dois terços de todos os habitats da Alemanha encontram-se em uma situação de insuficiente a ruim. O mesmo aplica-se a 60% das espécies, entre elas, sobretudo insetos, borboletas, libélulas e besouros.

Na vizinha França, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente do país, cerca de 1.240 espécies estão ameaçadas de extinção. Nos EUA, são mais de 2.000. Em toda a Europa, nos últimos 30 anos, as populações de pássaros diminuíram em 30%, o número de borboletas reduziu-se em 40%. Nas florestas tropicais do Sudeste Asiático e na Amazônia, o desmatamento de grandes áreas ameaça o habitat de dezenas de milhares de espécies. A biodiversidade segue sendo destruída, portanto, em grande escala. Fala-se de uma extinção global em massa. RETROCESSO PERIGOSO A Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade (IPBES), grêmio científico financiado por 132 países, concluiu em 2019 que, no mundo todo, aproximadamente um milhão de espécies – animais e plantas – correm risco de desaparecer da Terra. É, principalmente, a exploração agrícola intensiva que provoca a degradação ou destruição dos ecossistemas, a extinção das espécies e a degeneração de pools genéticos. Essa crise global da biodiversidade pode causar efeitos das mais variadas formas. Uma falta de diversidade genética pode aumentar a vulnerabilidade a doenças e a ataques de pragas. O exemplo disso é a banana Cavendish (nanica), que domina quase todo o mercado global de bananas de sobremesa. Em muitas plantações, essa espécie de banana está sendo ameaçada por um fungo que pode se espalhar facilmente em monoculturas.

“A perda da biodiversidade compromete o abastecimento de alimentos para a humanidade. Além disso, ela nos rouba vários serviços ecológicos prestados pela natureza – desde o fornecimento de matérias-primas até a regulação do clima, dos ciclos de água e substâncias até serviços culturais que também são importantes para a nossa empresa. As palavras-chave são: a natureza como fonte de inspiração”, afirma Sascha Liese, gerente de sustentabilidade da Symrise. Para garantir a produção de alimentos e assegurar a qualidade e o sabor dos produtos, uma empresa como a Symrise também seria dependente da biodiversidade e de ecossistemas intactos, ele explica. Muitas companhias que consomem matérias-primas da natureza já reconheceram isso.

TRÊS PRINCÍPIOS BÁSICOS “O tema se impõe energicamente na pauta”, observa Liese. Por isso, em setembro do ano passado, 21 global players, principalmente do setor de alimentos e cosméticos, uniram-se na iniciativa OP2B (One Planet for Biodiversity). Objetivo: proteger, usar de forma sustentável e recuperar a biodiversidade. Eles querem orientar as cadeias de suprimento e os portfólios de produtos para esse fim.

A iniciativa está comprometida com três princípios básicos – agricultura regenerativa, gama diversificada de produtos, baseada na diversidade genética, bem como recuperação dos agroecossistemas e proteção das florestas. “Trata-se de produzir alimentos de alta qualidade em solos saudáveis”, diz Sascha Liese. “Trata-se do cultivo de espécies vegetais mais nutritivas e resistentes, do reconhecimento econômico dos serviços ecológicos e, sobretudo, da valorização de potenciais de inovação, por exemplo, por meio da redescoberta de espécies antigas ou locais.” Para a Symrise, o importante é inserir toda a variedade de plantas de cultivo nos produtos e preservar os reservatórios genéticos das nossas matérias-primas estratégicas.

Na Symrise, a OP2B encontra inúmeros pontos de conexão. Desde 2015, a empresa segue uma agenda de biodiversidade que obriga todas as áreas a reduzir os efeitos negativos das suas atividades para a biodiversidade ou ainda melhor – a fomentar a biodiversidade. A Symrise ainda se comprometeu publicamente a implementar a Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU. A participação no OP2B é, portanto, um passo lógico. Atualmente, as empresas envolvidas estão elaborando soluções sistemáticas para promover a biodiversidade nas suas cadeias de suprimento. Uma compilação de projetos de sucesso deverá servir de modelo para isso. A Symrise está representada nessa lista com seu cultivo de baunilha em Madagascar. No país, a empresa coopera com 7.000 pequenos produtores agrícolas. A agricultura regenerativa é incentivada, o que fortalece a diversidade e protege os ecossistemas. Um outro ponto de conexão é a associação da empresa à Union for Ethical Biotrade, uma ONG que estabelece padrões rigorosos para a sustentabilidade de cadeias de suprimento e relações comerciais justas.

Os fios dessas atividades se conectam no Corporate Sustainability Board. “Sustentabilidade e biodiversidade só funcionam com o envolvimento de todas as divisões”, afirma Liese. As áreas de negócios elaboraram sets com matérias-primas agrícolas relevantes. O plano é produzi-las e processá-las de forma sustentável até 2025. “Nós começamos uma viagem”, diz Liese, “que ainda está longe de acabar.” E não existe outra alternativa para esse caminho. Afinal, “a biodiversidade é não apenas um seguro de vida para a humanidade como também o capital natural da nossa indústria, que precisamos preservar no longo prazo.”


Saiba mais sobre todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU no SymPortal: https://t1p.de/SYM-SDG


Mais informações sobre o projeto estão disponíveis em: https://op2b.org/

© Symrise All rights reserved 2020